Por que você não deveria seguir os conselhos de pessoas bem sucedidas | Desculpe o Transtorno #1

Essa é a nova coluna da Tribuna, Desculpe o Transtorno.
Aqui nós vamos falar sobre as verdades inconvenientes. As coisas que geralmente nós evitamos falar. Aquelas coisas que incomodam só de pensar nelas.
Não é ficando calado que elas vão deixar de incomodar, somente olhando de frente para os nossos defeitos é que vamos aprender a superá-los.

***

Conselhos, dicas, manuais, práticas, atalhos. A internet está lotada deles e todos parecem funcionar. Pelo menos para a pessoa que escreveu.

15 Dicas para melhorar a sua produtividade em 2 semanas

3 Técnicas para encontrar o propósito da sua vida

20 Coisas que você tem que deixar de fazer para ganhar mais dinheiro

Existem literalmente milhões de coisas que você pode fazer para mudar a sua vida, para ser alguém melhor. Mas, infelizmente, a sua resposta não está em um artigo que apareceu na sua timeline.

A resposta para conselhos ruins nós temos na ponta da língua:

"Quer dizer que se ele for pular de um penhasco tu vai também? Deixa de ser babaca cara!"

Mas, nós não aplicamos a mesma lógica para os "bons conselhos" da internet.

"Agora eu tô seguindo as dicas do blog daquela menina, agora vai ficar mais fácil."

Nunca vai ficar mais fácil, nunca vai ficar tranquilo, nunca as coisas vão estar serenas para você.

Não existem 15 dicas rápidas, não existem dicas infalíveis.

A busca incessante pelo caminho certo

A geração atual (eu estou incluso nela), passa por uma crise existencial profunda. Estamos exatamente no momento de transição de uma humanidade conservadora para uma humanidade aberta e progressista, que vê o futuro como algo a ser moldado.

Certas revoluções estão logo ali na esquina e nós sabemos disso, queremos fazer parte dela, queremos moldar o nosso próprio tempo.

Diferentemente dos nossos pais, que tinham muito mais preocupação em sobreviver do que criar algo de diferente para o mundo.

Isso nos coloca em uma encruzilhada:

"Eu deveria saltar para o futuro incerto de revoluções constantes, ou optar pelo mundo seguro, conservador e mais estável?

Qual caminho é o correto? Qual a resposta certa?

Alguém deve saber, provavelmente alguém que já achou a resposta possa me dizer qual é. Talvez uma pessoa de sucesso possa me dar os conselhos certos."

E é justamente aqui que mora o perigo. Primeiro de tudo, não existe caminho certo.

O caminho certo está logo ali

Até porque a vida não tem sentido

Se você não sabe, a vida não tem sentido.

Nós nascemos em um universo com 13 bilhões de anos, vamos viver os nossos míseros 80 e o universo vai continuar por alguns trilhões, sem nem se quer notar a nossa existência.

Nós literalmente não faremos grande diferença para ele, não importa se você é o Barack Obama ou a tia da esquina que passa o dia fofocando. Não importa, no fim, somos todos apenas poeira espacial.

Todos os nossos conceitos que julgamos serem intransponíveis e inegociáveis são ilusões criadas pela humanidade para termos uma vida mais aceitável.

Na natureza não existem conceitos como direitos humanos, Estado, dinheiro, sucesso. São todas convenções criadas por nós para que consigamos levar uma vida melhor. Mas no fim do dia, são todas irrelevantes quando vistas por uma perspectiva macro de existência.

Vista de maneira objetiva, a vida não tem sentido nenhum e qualquer caminho que você tome será irrelevante.

Se tudo é irrelevante, por que eu devo me levantar da cama então?

Você pode sim passar sua vida inteira sem fazer nada, é uma escolha sua. Mas para a maioria de nós essa escolha não serve.

O que eu deveria fazer então?

Albert Camus tem algo a dizer sobre isso.

A vasta frieza do universo

A única resposta possível é que não existe resposta

O Existencialismo foi uma corrente filosófica dos séculos XIX e XX que acreditava que a existência precede a essência. Ou seja, o homem existe sem que seu ser seja predefinido.

O que os existencialistas queriam dizer é que a vida não tem sentido nenhum, ela é absurda e incompreensível. Não existe lógica em procurar um significado para ela, isso só vai lhe trazer sofrimento e dor.

Imagine a situação onde pudéssemos objetivamente encontrar o sentido da vida, quando descobríssemos isso, nada além disso faria mais sentido.

Digamos por exemplo que o sentido da vida seja ser feliz.

Tudo que você faz, tudo que você pensa, tudo que você produz, deve ser, a partir de agora, voltado par gerar a sua felicidade. Todas as suas decisões caminham, agora, nessa direção.

E faz sentido claro, esse é o propósito da vida, tudo que eu faço é para chegar na minha felicidade, e quem não fizer o mesmo deve estar louco.

Mas alguns problemas surgem com esse pensamento.

Uma mãe que desistiu do próprio sonho para cuidar dos filhos escolheu felicidade? Um soldado que abandona a família para servir o país está trabalhando pela própria felicidade? Alguém que trabalha 16h por dia para sustentar a família é feliz?

A verdade é que muitas vezes, família, pátria e fome, fazem muito mais sentido para algumas pessoas do que para nós.

Então...

A vida não tem sentido, mas isso é maravilhoso!

Dentro da corrente existencialista existiu um filósofo e escritor francês, Albert Camus, que tinha algumas ideias bastante interessantes sobre essa questão.

Antes, a questão era descobrir se a vida precisava de ter algum significado para ser vivida. Agora, ao contrário, ficou evidente que ela será vivida melhor se não tiver significado.

Albert Camus

A ideia de Camus é que ao invés de desespero você deveria ter um sentimento de liberdade frente ao absurdo do universo.

Não existe começo, não existe fim, não existe propósito. Em meio a esse caos, você pode encontrar a sua própria ordem.

Se a vida não tem sentido, você pode criar o seu próprio!

Camus exemplificou isso muito bem no Mito de Sísifo.

Sísifo foi um herói grego punido pelos deuses a passar a eternidade rolando uma pedra até o topo de uma montanha para então deixar que ela rolasse de volta por conta do próprio peso. Esse trabalho deveria ser executado por Sísifo por toda a eternidade.

O trabalho eterno de Sísifo

A primeira vista parece uma punição terrível, ficar eternamente em um trabalho sem propósito.

Mas para Albert Camus, Sísifo encontrou a própria felicidade. Ele encontrou a sua verdade, Sísifo se tornou senhor do seu próprio destino quando deixou tudo de lado por um único propósito.

Toda a alegria silenciosa de Sísifo está aí. Seu destino lhe pertence. Seu rochedo é sua questão. Da mesma forma o homem absurdo, quando contempla o seu tormento, faz calar todos os ídolos […] O homem absurdo diz que sim e seu esforço não terá interrupção […] De resto, sabe que é dono de seus dias.

A ideia aqui é que, assim como Sísifo, você deve encontrar a sua própria pedra para carregar. Sua pedra. E não a pedra que outros dizem para você rolar.

Onde os mestres dos conselhos falham

E é aqui que os especialistas das dicas práticas falham, é nesse momento que a pessoas aparentemente bem sucedidas não enxergam o erro que estão cometendo ao oferecerem despretensiosamente os seus conselhos

Gente , eu consegui e deu certo, vocês podem conseguir também!

Falta a essas pessoas contexto, o seu contexto, leitor!

É uma falta de empatia que pessoas que adquiriram o sucesso não possuem, não que eles sejam pessoas ruins com uma psicopatia enrustida. Mas é que uma série de fatores, que muitas vezes não estão no controle delas, as levaram até ali e elas acreditam veementemente que esse é o único caminho possível.

Largue o emprego e monte sua própria empresa, funciona!

Tire um ano sabático para viajar, eu juro que funciona!

Medite 30 minutos todos os dias, isso sem dúvida alguma funciona!

É, talvez para você.

Se você pedir um conselho a um ganhador da loteria  ele lhe dirá para sacar todo o seu dinheiro do banco e apostar tudo na Mega-Sena, funcionou com ele e com certeza vai funcionar com você.

Essa falta de empatia é algo comum na grande maioria dos provedores de conteúdo da internet. O que funciona em um contexto, para uma pessoa, em um determinado tempo e lugar muito provavelmente vai funcionar de forma completamente diferente para outra.

Replicar o comportamento ou a rotina de outras pessoas que você admira pode ser o maior erro que você pode cometer.

Onde a maioria de nós falha

Uma vez eu li um artigo de um blog sobre como ler como Elon Musk (se você não o conhece confere o nosso texto onde falamos sobre ele, Como ter sucesso). O multibilionário lê em torno de 60 livros por mês, e você pode fazer o mesmo!

Apenas seguindo a rotina que o artigo indicava também era possível atingir esse nível de produtividade de leitura.

No começo eu achei fantástico, mas então eu percebi, haviam algumas cosas que eu não estava levando em conta. Elon Musk é um gênio, ele possui um nível de demanda no trabalho enorme e, além do mais, eu tinha mais coisa para fazer do que passar a vida inteira lendo.

A mesma coisa aconteceu com a dieta que eu estava executando, eu nunca ia conseguir passar o resto da minha vida sem carboidrato e açúcar.

E de novo na minha rotina de trabalho. Apesar do GTD ser uma ferramenta fantástica (falamos dela aqui: 4 passos par aumentar a sua produtividade) ainda faltavam coisas nela para que ela fosse implantada com perfeição na minha rotina.

Sorriso na cara e frustração no peito

Para a minha leitura eu resolvi separar 1 hora por dia, e tem funcionado muito bem. Para a minha dieta eu me permiti sair dela em ocasiões específicas da semana, e ainda assim eu estou perdendo peso. E para o GTD eu misturei ele com metas SMART e tem sido fantástico.

Os conselhos que eu lia na internet só começaram a dar certo para mim quando eu parei de escutá-los, ou melhor, quando passei a escutá-los com maior atenção.

Então, o que você deveria fazer?

Nesse momento essa questão deve estar rondando a sua cabeça.

Então eu deveria parar de ler e buscar formas de melhorar minha vida e meu trabalho?

Não, justamente o oposto!

Essas pessoas que "entendem" do assunto nunca vão compreender completamente o seu contexto, somente você pode compreender a verdade ao seu redor.

A resposta não é se fechar e deixar de lado a ignorância do mundo quanto ao que você realmente precisa, a resposta é justamente o contrário, leia mais, busque mais, se informe mais, tenha mais insumos, somente assim você pode criar o próprio caminho.

Conselhos e dicas entregues na internet nunca serão A sua resposta, mas eles podem ser Uma resposta.

Somente com um grande leque de respostas diferentes, com conhecimentos variados e com uma vivência significativa sobre o assunto é que você será capaz de usar tudo o que sabe e que viveu para traçar o próprio caminho.

Então busque mais, seja mais curioso, procure o melhor caminho da melhor forma que você achar.

As pessoas que escolhemos ignorar

Se falta empatia para as pessoas bem sucedidas existe outra categoria de pessoas que conseguem se afeiçoar muito facilmente a qualquer um, os fracassados.

As pessoas que caíram, que se estatelaram no chão e ficaram sem saber para onde ir já experimentaram a dor e o sofrimento da perda, vivenciaram a solidão da derrota. São essas as pessoas que possuem os conselhos mais preciosos.

Elas são capazes de se conectar com você em um nível mais profundo, compreendem que o medo, frustração, e o receio fazem parte da caminhada. Elas já passaram por isso. Elas te entendem.

Por exemplo.

O melhor livro que você pode ler para entender o uso de drogas e o que elas causam chama-se Trainspotting, que depois foi adaptado para o cinema por Danny Boyle.

O livro foi escrito por Irvine Welsh, e é baseado nas próprias experiências do autor com a heroína.

O livro é sujo, nojento e em alguns momentos engraçado. Sem vergonha de mostrar todas boas sensações que a droga traz. E sem medo de dizer como ela destrói a sua vida.

Pessoas morrem, famílias são destruídas, overdoses são causadas e algumas pessoas são presas. Tudo contado de uma forma visceral por alguém que viveu tudo isso. Um fracassado de carteirinha.

Se o Irvine quer me dar um conselho sobre uso de drogas, eu com certeza vou ouvi-lo.

Antes ele do que um cara de gravata e topete que só toma vinho tinto nos finais de semana nos jantares com a família.

Choose Life

Por último, mas não menos importante.

QUESTIONE TUDO!

Estude muito, leia muito, mas o mais importante é questionar cada informação e conselho que você recebe, seja ele de quem for.

Pergunte-se:

  • Isso funcionaria para mim?
  • Por que essa pessoa está me dando esse conselho?
  •  O que eu teria que fazer para que isso funcionasse?

O que você nunca pode esquecer é que é a sua vida, ninguém nunca vai lhe compreender bem o suficiente para lhe dizer exatamente o que fazer, somente você pode criar a sua própria resposta.

Pergunte-se se o que eu acabei de escrever nesse artigo faz algum sentido para você,. Questione-se o porquê de eu estar lhe escrevendo isso. Pergunte-se se os artigos da Tribuna tem aplicação par você. Questione tudo que nós lhe escrevemos.

Se  essas perguntas estiverem na sua mente agora, eu cumpri o meu papel.

Questione-se sempre

Conclusão: escute os conselhos que lhe dão, mas sempre com cuidado

Nós somos seres que estão em uma busca constante pelo caminho certo, pelo caminho dourado que vai nos levar à mina de ouro.

Mas não existe essa tal mina de ouro. Porque cada pessoa enxerga um tesouro diferente na sua vida. Tentar sistematizar isso e vender em uma caixinha que todos deveriam comprar é um grande erro.

Erro maior ainda é acreditar em quem vende esse tipo de coisa.

Não existe GPS para a vitória, cada um faz seu destino.

Assim como Sísifo, encontre a sua pedra, busque a causa que mais lhe apetece. Para isso, leia muito, busque bastante, se informe, encontre várias verdades para assim criar a sua própria.

Escute os conselhos dos outros, mas sempre questione-se como aquilo pode lhe ajudar.

E não esqueça, sempre siga a sua própria verdade.

Um forte abraço e até a próxima.